Noticias

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

AFSetúbal - Sousa Marques na hora da despedida" saio de cabeça erguida como sempre estive,estou e estarei

Quem me conhece, sabe bem que sou moderado e procuro também ser moderador.
 Que não ataco pessoas, antes defendo princípios. Que não alimento polémicas,
 nem dou importância a afirmações efetuadas relativas à minha honra e dignidade,
 não por cobardia, mas porque não me ofende quem quer, mas sim quem pode.



Na tomada de posse dos Corpos Sociais da Associação  de Futebol de Setúbal realizada no Salão Nobre da sede social da A.F.Setúbal, na noite de quarta feira dia 23, em que foi empossada os novos Corpos Sociais, liderado por Francisco Cardoso, que assim sucede ao Dr.Sousa  Marques como presidente da Associação de Futebol de Setúbal.

 Na hora da despedida  e ainda na qualidade de presidente da Associação de Futebol de Setúbal, Sousa Marques falou do seu passado como dirigente,da evolução de crescimento desportivo no distrito, também e com alguma mágoa não esqueceu. alguns factos que alguns, procuraram criar nesta fase final do mandato, e que se verificaram no período pré - eleitoral, não dignifiquem o Futebol e o trabalho que é feito por todos que fazem parte da família do futebol distrital, na AF Setúbal, nos seus clubes,os árbitros e seus dirigentes.
A intervenção  de despedida de funções de Joaquim Sousa Marques,ninguém ficou  indiferente,e foram fortes os aplausos,num sinónimo de grande reconhecimento pela longa jornada em prol da instituição


Aqui transcrevemos na integra a intervenção do ex-presidente Sousa Marques

“Em primeiro lugar gostaria de agradecer esta oportunidade para fazer uma última intervenção na qualidade de Presidente da Direção Associação de Futebol de Setúbal, num momento em que estou prestes a terminar estas minhas funções.
De facto estava longe de imaginar que, quando iniciei funções nos órgãos sociais da AFS no dia 25/11/1988, como vogal do Conselho de Contas, apenas iria deixar estas funções desta natureza 28 anos depois, dos quais quase 21 anos, desde Janeiro de 1996, com funções executivas na Direção.
Encerro aqui um ciclo em que assumi as funções de Presidente da Direção, durante 18 anos, desde Dezembro de 1998.
Todo o trabalho realizado só foi possível com a colaboração dos meus colegas dos diferentes executivos, dos restantes órgãos sociais, dos funcionários da Associação, dos clubes filiados, dos núcleos de árbitros, e dos parceiros da AF Setúbal, que de uma forma generalizada sempre colaboraram e ajudaram o meu trabalho.
Ao longo destes 18 anos foi possível crescer de forma significativa a nossa atividade e fazer com que a AF Setúbal pudesse atingir o 6 º lugar no ranking nacional.
Se na época 1998/99 estavam inscritos na Associação 5.400 atletas, a realidade atual, relativa à época 2015/16, registou quase 10.000 atletas inscritos, e é bem reveladora deste nosso crescimento.
Se na época 1998/99 se realizaram 13 competições que corresponderam a um número de jogos que não chegou aos 3.000, já em 2015/16 realizaram-se quase 7.000 jogos, em 40 competições.
A par do crescimento generalizado nos escalões tradicionais, com especial enfase no Futebol de 7, é neste período que é possível apostar no Futsal e integrá-lo nas nossas competições, assim como apostar nos escalões de recreação, Petizes e Traquinas, no Futebol Feminino, e no Futebol de Praia, este último um fenómeno mais recente, mas que nos leva ao topo nacional em termos de representatividade.
Durante este período foi ainda possível estabilizar as contas da Associação, permitindo nas últimas épocas atribuir subsídios aos clubes em função dos resultados obtidos, adquirir património próprio que permitiu melhorar as condições de trabalho e lançar a semente para estender esse património ao campo desportivo.
Vou sair com a sensação de dever cumprido, com orgulho no trabalho realizado, de ter feito tudo o que estava ao alcance das minhas possibilidades e conhecimentos.
Sempre pensei com a minha cabeça, privilegiei o diálogo e os consensos e tomei as decisões que considerei adequadas, como é óbvio não isentas de erros, mas, prognósticos no final do jogo são fáceis.
Foi muito gratificante e enriquecedor ter assumido estas funções e agradecendo a todos, sem exceção, o terem proporcionado o trilhar deste longo caminho que me permitiu fazer muitos amigos de Norte a Sul do Distrito, e que vou guardar para todo o sempre.
Saio sem ressentimentos de ninguém, ainda que os factos que alguns, procuraram criar nesta fase final do mandato, e que se verificaram no período pré-eleitoral, não dignifiquem o Futebol e o trabalho que é feito por todos os que fazem parte da família do futebol distrital, na AF Setúbal, nos seus clubes, os árbitros e seus dirigentes.
Quem
De facto, há muito entendo que o diálogo e o consenso deve procurar ser a forma de se estar na vida, e o futebol não deve, nem pode, ser exceção.
Quem me conhece, sabe bem que sou moderado e procuro também ser moderador. Que não ataco pessoas, antes defendo princípios. Que não alimento polémicas, nem dou importância a afirmações efetuadas relativas à minha honra e dignidade, não por cobardia, mas porque não me ofende quem quer, mas sim quem pode.
Perdoem-me a imodéstia, mas o trabalho que realizei ao serviço da AF Setúbal, ao serviço do futebol, possibilita a todos aqueles que trilham estes caminhos, avaliar e avaliar-me em termos de disponibilidade, de personalidade, de empenhamento e de carater. Não enjeito o meu passado. Sempre estive disponível para trabalhar e para aprender, e para acima de tudo ajudar os clubes e os árbitros, na sua luta diária.
Saio de cabeça erguida como sempre estive, estou e estarei.
Mas tudo isto já faz parte do passado e o que é preciso agora é olhar para o futuro, com capacidade de trabalho e com vontade de vencer.
É justo e importante realçar o trabalho que, ao longo de 89 anos de vida da Associação, tem sido desenvolvido por todos os nossos filiados, que são a razão da existência da Associação e que, pelo trabalho efetuado, tem permitido atingir a expressão que possuímos no futebol nacional.
O reconhecimento - José Lima, Coordenador do Plano Nacional de Ética
 no Desporto e em representação do Instituto Português do Desporto e Juventude,
fez entrega a Sousa Marques, deste galardão.

Neste momento, o que é importante é agradecer a todos os membros que compõem o elenco que vai ser empossado, a disponibilidade manifestada, porque nos dias que correm ser dirigente não é fácil, exerça-se esta função num clube ou numa associação de clubes, e, com o empenhamento colocado no desempenho destas funções, quem sai prejudicada é a vida familiar e a vida profissional. Mas, como diz o ditado, quem corre por gosto não cansa.
É também importante recordar aqueles, que tendo passado pelos órgãos sociais da instituição, e que, sem a paixão clubista normalmente associada a este fenómeno, mas antes com uma enorme dedicação à causa do futebol, permitiram um contínuo crescimento da modalidade neste Distrito, que tanto tem dado ao desporto nacional.
É do conhecimento público e unanimemente reconhecido, que somos os herdeiros de um passado com uma riqueza enorme, recheado de feitos, de pessoas e de instituições que contribuíram para a história do futebol nacional e até internacional.
Contudo, sem esquecer o passado, é de olhos postos no futuro que temos que desenvolver o nosso trabalho. O futuro é já amanhã e está pejado de obstáculos de vária ordem que condicionam diariamente a atividade, mas não se devemos perder de vista que um dos principais objetivos a atingir é o da formação dos jovens praticantes, numa perspetiva de crescimento e de evolução da modalidade.
Alguns projetos ficaram por realizar particularmente o do centro de treinos, mas estou convencido que esse desiderato vai ser atingido porque se justifica, é necessário e permite um salto qualitativo no trabalho a realizar.
Por tudo isto gostaria de desejar felicidades e os maiores êxitos a quem vai ser empossado e colocar-me à disposição para ajudar em tudo o que entenderem que a minha colaboração pode ser útil.
O tempo dos senadores já vai longe, muito longe.
O pensamento que depois de mim o caos, não se aplica.
Só com a colaboração de todos é possível, apresentar resultados e erguer bem alto o nome da AF Setúbal.
Conheço muitos dos que estão prestes a tomar posse e sem querer particularizar gostaria de publicamente enaltecer as capacidades do Francisco Cardoso, que me vai substituir, e que, pelas suas características em termos de capacidade de trabalho, de conhecimento desta realidade, de diálogo, de frontalidade e de honestidade moral e intelectual, e, pela equipa que soube escolher e que com ele vai trabalhar, estou perfeitamente convencido que dá garantias e que vai ter êxito nesta tarefa que está prestes a iniciar-se.
Saudações Desportivas
VIVA A ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE SETÚBAL
VIVA O FUTEBOL

1 comentário:

  1. Quero agradecer ao Snr. Dr. Sousa Marques, o excelente trabalho realizado ao longo dos últimos 18 anos, como Presidente da Direcção da Associação de Futebol de Setúbal. Durante esse período, tive o grato prazer de lhe prestar colaboração, nas minhas funções de técnico de arbitragem, numa relação de profundo respeito mútuo e comunhão de ideias que contribuíram para o engrandecimento e progresso do futebol desta Nobre Instituição. Em meu nome e da Arbitragem Setubalense, renovo os meus agradecimentos, com um forte abraço de amizade.

    ResponderEliminar