Noticias

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

PRESIDENTE FRANCISCO CARDOSO TOMA POSSE POR “UMA ASSOCIAÇÃO FORTE, UM COMPROMISSO COM TODOS OS CLUBES”

Dr.Sousa Marques, ouve atentamente o discurso de Francisco Cardoso que lhe sucedeu no cargo
de Presidente da Associaçãode Futebolde Setúbal

Cerca de uma centena de pessoas presenciaram esta quarta-feira a Cerimónia Solene do Ato de Posse dos novos Órgãos Sociais da Associação de Futebol de Setúbal para o mandato 2016/17 a 2019/20.


Num final de tarde de exaltação, Joaquim Sousa Marques, presidente da Direção cessante, foi alvo de rasgados elogios. O novo líder associativo, Francisco Cardoso ouviu fortes incentivos para a realização de um bom trabalho.

O Auditório da sede social da AF Setúbal foi, ontem, o palco de um dos momentos mais marcantes da história da Associação de Futebol de Setúbal, presenciado por cerca de uma centena de convidados que assistiram à tomada de posse dos novos órgãos sociais da instituição, que nos próximos quatro anos vai ser liderada por Francisco Cardoso, na qualidade de Presidente da Direção.
Perante as individualidades em representação dos mais variados quadrantes da vida desportiva, pública, social e privada, regional e nacional, coube ao vice-presidente da Mesa da Assembleia Geral cessante, Rui Mourinha, abrir a sessão solene, com uma saudação de boas vindas, a que se seguiu a primeira intervenção, num discurso promovido pelo Presidente da Direção da AF Setúbal cessante, Joaquim Sousa Marques, que recordamos na íntegra:
“Em primeiro lugar gostaria de agradecer esta oportunidade para fazer uma última intervenção na qualidade de Presidente da Direção Associação de Futebol de Setúbal, num momento em que estou prestes a terminar estas minhas funções.
De facto estava longe de imaginar que, quando iniciei funções nos órgãos sociais da AFS no dia 25/11/1988, como vogal do Conselho de Contas, apenas iria deixar estas funções desta natureza 28 anos depois, dos quais quase 21 anos, desde Janeiro de 1996, com funções executivas na Direção.
Encerro aqui um ciclo em que assumi as funções de Presidente da Direção, durante 18 anos, desde Dezembro de 1998.
Todo o trabalho realizado só foi possível com a colaboração dos meus colegas dos diferentes executivos, dos restantes órgãos sociais, dos funcionários da Associação, dos clubes filiados, dos núcleos de árbitros, e dos parceiros da AF Setúbal, que de uma forma generalizada sempre colaboraram e ajudaram o meu trabalho.
Ao longo destes 18 anos foi possível crescer de forma significativa a nossa atividade e fazer com que a AF Setúbal pudesse atingir o 6º lugar no ranking nacional.
Se na época 1998/99 estavam inscritos na Associação 5.400 atletas, a realidade atual, relativa à época 2015/16, registou quase 10.000 atletas inscritos, e é bem reveladora deste nosso crescimento.
Se na época 1998/99 se realizaram 13 competições que corresponderam a um número de jogos que não chegou aos 3.000, já em 2015/16 realizaram-se quase 7.000 jogos, em 40 competições.
A par do crescimento generalizado nos escalões tradicionais, com especial enfase no Futebol de 7, é neste período que é possível apostar no Futsal e integrá-lo nas nossas competições, assim como apostar nos escalões de recreação, Petizes e Traquinas, no Futebol Feminino, e no Futebol de Praia, este último um fenómeno mais recente, mas que nos leva ao topo nacional em termos de representatividade.
Durante este período foi ainda possível estabilizar as contas da Associação, permitindo nas últimas épocas atribuir subsídios aos clubes em função dos resultados obtidos, adquirir património próprio que permitiu melhorar as condições de trabalho e lançar a semente para estender esse património ao campo desportivo.
Vou sair com a sensação de dever cumprido, com orgulho no trabalho realizado, de ter feito tudo o que estava ao alcance das minhas possibilidades e conhecimentos.
Sempre pensei com a minha cabeça, privilegiei o diálogo e os consensos e tomei as decisões que considerei adequadas, como é óbvio não isentas de erros, mas, prognósticos no final do jogo são fáceis.
Foi muito gratificante e enriquecedor ter assumido estas funções e agradecendo a todos, sem exceção, o terem proporcionado o trilhar deste longo caminho que me permitiu fazer muitos amigos de Norte a Sul do Distrito, e que vou guardar para todo o sempre.
Saio sem ressentimentos de ninguém, ainda que os factos que alguns, procuraram criar nesta fase final do mandato, e que se verificaram no período pré-eleitoral, não dignifiquem o Futebol e o trabalho que é feito por todos os que fazem parte da família do futebol distrital, na AF Setúbal, nos seus clubes, os árbitros e seus dirigentes.
De facto, há muito entendo que o diálogo e o consenso deve procurar ser a forma de se estar na vida, e o futebol não deve, nem pode, ser exceção.
Quem me conhece, sabe bem que sou moderado e procuro também ser moderador. Que não ataco pessoas, antes defendo princípios. Que não alimento polémicas, nem dou importância a afirmações efetuadas relativas à minha honra e dignidade, não por cobardia, mas porque não me ofende quem quer, mas sim quem pode.
Perdoem-me a imodéstia, mas o trabalho que realizei ao serviço da AF Setúbal, ao serviço do futebol, possibilita a todos aqueles que trilham estes caminhos, avaliar e avaliar-me em termos de disponibilidade, de personalidade, de empenhamento e de carater. Não enjeito o meu passado. Sempre estive disponível para trabalhar e para aprender, e para acima de tudo ajudar os clubes e os árbitros, na sua luta diária.
Saio de cabeça erguida como sempre estive, estou e estarei.
Mas tudo isto já faz parte do passado e o que é preciso agora é olhar para o futuro, com capacidade de trabalho e com vontade de vencer.
É justo e importante realçar o trabalho que, ao longo de 89 anos de vida da Associação, tem sido desenvolvido por todos os nossos filiados, que são a razão da existência da Associação e que, pelo trabalho efetuado, tem permitido atingir a expressão que possuímos no futebol nacional.
Neste momento, o que é importante é agradecer a todos os membros que compõem o elenco que vai ser empossado, a disponibilidade manifestada, porque nos dias que correm ser dirigente não é fácil, exerça-se esta função num clube ou numa associação de clubes, e, com o empenhamento colocado no desempenho destas funções, quem sai prejudicada é a vida familiar e a vida profissional. Mas, como diz o ditado, quem corre por gosto não cansa.
É também importante recordar aqueles, que tendo passado pelos órgãos sociais da instituição, e que, sem a paixão clubista normalmente associada a este fenómeno, mas antes com uma enorme dedicação à causa do futebol, permitiram um contínuo crescimento da modalidade neste Distrito, que tanto tem dado ao desporto nacional.
É do conhecimento público e unanimemente reconhecido, que somos os herdeiros de um passado com uma riqueza enorme, recheado de feitos, de pessoas e de instituições que contribuíram para a história do futebol nacional e até internacional.
Contudo, sem esquecer o passado, é de olhos postos no futuro que temos que desenvolver o nosso trabalho. O futuro é já amanhã e está pejado de obstáculos de vária ordem que condicionam diariamente a atividade, mas não se devemos perder de vista que um dos principais objetivos a atingir é o da formação dos jovens praticantes, numa perspetiva de crescimento e de evolução da modalidade.
Alguns projetos ficaram por realizar particularmente o do centro de treinos, mas estou convencido que esse desiderato vai ser atingido porque se justifica, é necessário e permite um salto qualitativo no trabalho a realizar.
Por tudo isto gostaria de desejar felicidades e os maiores êxitos a quem vai ser empossado e colocar-me à disposição para ajudar em tudo o que entenderem que a minha colaboração pode ser útil.
O tempo dos senadores já vai longe, muito longe.
O pensamento que depois de mim o caos, não se aplica.
Só com a colaboração de todos é possível, apresentar resultados e erguer bem alto o nome da AF Setúbal.
Conheço muitos dos que estão prestes a tomar posse e sem querer particularizar gostaria de publicamente enaltecer as capacidades do Francisco Cardoso, que me vai substituir, e que, pelas suas características em termos de capacidade de trabalho, de conhecimento desta realidade, de diálogo, de frontalidade e de honestidade moral e intelectual, e, pela equipa que soube escolher e que com ele vai trabalhar, estou perfeitamente convencido que dá garantias e que vai ter êxito nesta tarefa que está prestes a iniciar-se.
Saudações Desportivas
VIVA A ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE SETÚBAL
VIVA O FUTEBOL”
À intervenção de despedida de funções de Joaquim Sousa Marques ninguém ficou indiferente, e foram fortes os aplausos, num sinónimo de grande reconhecimento pela longa jornada dinamizada em prol da instituição.

Um a um, eis os novos responsáveis associativos
A cerimónia, sempre pautada por um grande entusiasmo, deu a conhecer, nos instantes que se seguiram, aqueles que a partir de ontem passam a assumir a responsabilidade de conduzir os destinos da instituição.
Um a um, todos, marcaram presença e rubricaram o livro institucional ao ritmo das felicitações.
Recordamos AQUI a composição dos novos Órgãos Sociais da AF Setúbal para o quadriénio 2016/17 a 2019/20  

Dirigentes saudaram com emoção
O acto da tomada de posse não dispensou a oportunidade de dar a palavra aos presentes e, naturalmente, a ocasião solene libertou apontamentos, em que o denominador comum revestiu-se de emocionado reconhecimento pessoal e pelo trabalho dedicado e competente realizado pela Direção liderada por Joaquim Sousa Marques e pela felicitação e votos de sucesso para a equipa de Francisco Cardoso, presidente que todos elogiaram pelas suas qualidades, vincando a sua honestidade, experiência e capacidade de trabalho.
Discursos emotivos, assinados pelas intervenções do presidente da direção do FC Barreirense, José Paulo Rodrigues, do coordenador do Plano Nacional de ética no Desporto, em representação do Instituto Português do Desporto e Juventude, José Lima, de Ana Ribeiro, em representação do presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, de Rui Manhoso, em representação da Federação Portuguesa de Futebol, e de Manuel Castelo, da AF Lisboa, em representação das associações regionais e distritais de futebol.

Novo presidente da AF Setúbal em nome de todos
O aguardado discurso de Francisco Cardoso, o primeiro oficial enquanto presidente da Direção da AF Setúbal, centrou-se nos valores da união e no compromisso de dar continuidade ao bom trabalho que nos últimos anos tem marcado pontos de reconhecimento para a instituição.
O presidente associativo não esqueceu nada nem ninguém, que de uma forma ou outra, contribuíram para aquilo que hoje é uma prestigiada associação e levantou o véu sobre as linhas orientadoras que vão estar presentes ao longo do mandato.
Uma intervenção, interrompida a meio, onde fez questão de enaltecer, de forma muito vincada, o trabalho desenvolvido pelo seu antecessor, fazendo questão oferecer, nesse momento, uma lembrança muito peculiar: uma garrafa de vinho rotulada de “Quinta da Inveja”.
Recordamos, abaixo, o discurso de tomada de posse do novo presidente da Direção da AF Setúbal:   
“Ao olharmos para a casa que nos acolhe hoje, pode ficar a ideia de que estamos a inaugurar uma nova sede social da Associação, mas, na verdade, esta casa tem quase 90 anos.
Não é a este, agradável espaço físico, recentemente adquirido, que me refiro naturalmente, mas sim, à alma vigorosa da Associação de Futebol de Setúbal, que tenho para mim, como sinónimo de união, dedicação e trabalho.
Três palavras, que muito bem se podem aplicar, aquilo que é o conceito familiar. E é isto que entendo e quero continuar a entender como sendo a nossa associação: uma família.
Foi do espírito da união que nasceu a Associação.
Já lá vão quase 90 anos de história, que devem, sobretudo, ser motivo de orgulho de todos os que por cá passaram, nas mais diversas atuações, dentro e fora dos recintos desportivos.
A eles devemos curvar-mo-nos por terem unido esforços para cimentar um caminho que nos permite continuar a encarar, com renovado otimismo, os dias que correm.
Hoje, perante vós, assinalamos publicamente mais um dia relevante da história desta grande família.
É verdade. Somos quase 10 mil praticantes de futebol, futsal e futebol de praia e largas centenas de árbitros, dirigentes, técnicos e demais agentes ligados ao nosso universo regional, onde cabem, numa bancada muito especial, todos os amantes e adeptos das nossas modalidades.
Uma família numerosa que, apesar dos contratempos, não quer parar de crescer.
Hoje, damos o pontapé de saída para um novo mandato dos órgãos sociais da Associação de Futebol de Setúbal, em que assumimos, todos, o sentido da responsabilidade de dar continuidade a toda a dedicação investida pelos nossos antecessores, que fazem da Associação de Futebol de Setúbal, hoje, uma das mais prestigiadas do país.
É, portanto, para mim um grande honra poder dar o meu contributo, enquanto presidente da direção desta reconhecida instituição, com firme propósito de vincar o nosso trabalho por uma Associação forte, um compromisso com todos os Clubes.
Uma confiança depositada na equipa que lidero e que devo, humildemente, agradecer a Todos os Filiados, que no recente ato eleitoral, apesar de haver apenas uma lista, inscreveram o seu nome naquela que foi a mais concorrida eleição de sempre da associação, bem como aos demais que desde a primeira hora manifestaram o seu apoio à nossa candidatura.
O período eleitoral foi para mim uma jornada de importância acrescida. Contatei diretamente a esmagadora maioria dos clubes.
Apresentei as minhas ideias, mas sobretudo ouvi, com grande honestidade, contributos que não esqueço, num sentimento partilhado de quem quer ajudar a AFS a ganhar.
Este é também o momento de agradecer a todos os elementos que agora deixam de exercer funções nos Órgãos Sociais da AFS.
O seu empenho e disponibilidade para o engrandecimento da instituição jamais pode ser esquecido.
Um reconhecimento que é extensível a todos os funcionários e colaboradores, fatia fundamental na dinamização organizativa de toda a estrutura.
Mas, permitam-me, abrir aqui e neste momento de particular solenidade, fazer uma justa homenagem à pessoa que liderou os destinos desta instituição nos últimos anos (quase 18) e que há cerca de 30 começou a fazer parte da nossa família. 
Não posso hesitar, Joaquim Sousa Marques em dizer-te que a AFS vai estar eternamente grata por tudo o que fizeste em nome desta família.    
Alguém sugeriu, recentemente, que a AFS devia levar uma grande volta, mas, permitam-me lembrar que fruto do teu trabalho e da tua dedicação a esta família, entre um vasto rol de conquistas, garantiste uma saúde financeira de eleição às contas da instituição.
Abriste as portas a esta sede e reforçaste como nunca, a evolução dos números da dinamização competitiva.
Um trabalho assente na tua enorme dedicação, competência e sempre sustentado no diálogo institucional.
Se esta é a produtiva realidade, que foi sugerida como merecedora de levar uma grande volta, então alguém, permitam-me, anda alheado da nossa família.
Joaquim Sousa Marques, por tudo isto, devemos estar todos muito agradecidos e honrados por tudo o que nos ajudaste a construir.
Garanto-te que vou tudo fazer para te homenagear em cada um dos dias do meu mandato, reconhecendo que fazer tanto e de tão positivo será uma tarefa árdua.
Mas temos ambição e a confiança da nossa família em querer chegar mais longe. E sabemos que é isso que nos desejas.
Muito Obrigado.
O nosso futuro recomeça agora.
Nesse sentido, gostaria de ver a Associação manter-se como um espaço aberto onde todos apresentem propostas exequíveis e que sejam devidamente encaradas em prol da estrutura associativa.
A nossa utilidade pública deve ser entendida pelas instituições, federação e associações congéneres, como uma responsabilidade de partilha.
Estamos e estaremos, em qualquer momento, disponíveis para reforçar parcerias com todas as Autarquias do nosso Distrito, que vão ao encontro dos clubes, no sentido de vincar uma dinâmica com marca regional que se pretende extravasar no plano nacional e internacional.
E neste âmbito institucional, não hesitaremos em ter uma palavra ativa que permita incentivar as edilidades a edificarem e/ou melhorarem as infraestruturas municipais e dos nossos filiados para a prática desportiva e competitiva.
Aos nossos clubes queria evidenciar o compromisso que teremos com as três modalidades competitivas nas suas diversas variantes:
a aposta no Futebol no Feminino é uma realidade que nos motiva. Uma aposta que é cada vez mais visível na região e no país, face ao grande salto quantitativo e qualitativo que não podemos deixar de corresponder com renovado incremento e projeção.
Ambicionamos ter com o Futsal, uma prática reforçada na paixão e na competição, em todos os escalões, que nos permitam evoluir para patamares de referência nacional num curto espaço de tempo.
No futebol de 11 e de 7, a associação é cada vez mais a referência que cativa a competição e cultiva a essência da formação e é assim que queremos seguir.
Aliás, na vertente formativa, atlética e técnica, o reconhecimento federativo é disso um exemplo.
Com o foco no fair play, queremos continuar a ser considerados pela FPF uma Associação na vanguarda.
Contudo, isto só será possível com o crescimento da quantidade e qualidade dos nossos árbitros.
Sabemos, todos, que ainda são insuficientes em função do número de jogos, mas devemos confiar no trabalho que vai continuar a ser desenvolvido pelos núcleos em conjunto com o Conselho de Arbitragem para fortalecer a nossa histórica arbitragem.
Admito, que já entrei em tempo de prolongamento, mas não posso deixar de somar uma grande ambição que esta nova direção vai tudo fazer para concretizar:
a edificação de um centro de treino que tenha as portas abertas aos clubes, árbitros e sobretudo, às nossas seleções distritais.
E neste particular da nossa representatividade, queremos que o vestir a camisola da nossa seleção seja, cada vez mais, um motivo de grande orgulho dos nossos atletas e que isso envaideça os clubes.
A todos os elementos dos Órgãos Sociais que hoje tomaram posse, peço o dever da solidariedade no seio da estrutura.
Estou certo, que vamos trabalhar em equipa em nome do melhor para o futebol distrital.
É certo que o futuro é demasiado complexo para ser razoavelmente previsível. Mas também é verdade, como nos dizia Gandhi, que “o futuro dependerá daquilo que fazemos no presente”.
Por uma associação forte, um compromisso com todos os clubes
Viva a Associação de Futebol de Setúbal!
Obrigado.”

Octávio Machado lembrou os “pelados”

Octávio Machado, o novo presidente da Mesa da Assembleia Geral da AF Setúbal, não quis deixar de fechar a cerimónia, com uma intervenção reveladora da paixão que sente pelo futebol.
“Este é um momento muito importante para mim, que muito me honra, e de muita responsabilidade.
A Associação de Futebol de Setúbal é a instituição representativa dos clubes de base, que fazem crescer os jogadores e treinadores que sonham e são apaixonados pelo futebol.
Eu sou um homem desses clubes da base, que em menino alimentava o sonho do futebol e que dava uns pontapés na bola na rua e depois nos ‘pelados’.
Sinto grande orgulho desses tempos, tempos esses que devem ser lembrados e que marcam uma vida.
Hoje estamos aqui a celebrar um renovado caminho que será trilhado em nome dos mais jovens que alimentam os sonhos do futebol e tenho a certeza que todos os elementos dos novos Órgãos Sociais tudo irão fazer no sentido de, através dos clubes, proporcionar o máximo para que atinjam essa concretização.
A Associação de Futebol de Setúbal é uma instituição de bem e assim quer continuar a ser. O trabalho desenvolvido pelo Sousa Marques deve ser amplamente reconhecido, e cabe a todos os que assumem agora a responsabilidade de o reforçar.
Muito obrigado a todos.
Vivam os clubes! Viva a Associação de Futebol de Setúbal!”


Fonte: Noticias AFS

Sem comentários:

Enviar um comentário