Noticias

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

FIFA - Fernando Santos é um dos três finalistas do prémio treinador do ano


Fernando Santos, selecionador campeão europeu em 2016 por Portugal, está entre os nomeados para o Melhor Treinador do Ano FIFA, a par de Zidane e Claudio Ranieri.
A cerimónia de entrega dos prémios FIFA e FIFPro 2016 terá lugar em Zurique, na Suíça, a 9 de janeiro de 2017.
O prémio foi criado em 2010 e foi um português, José Mourinho, a conquistar a primeira edição. Os outros vencedores foram Pep Guardiola (2011), Vicente del Bosque (2012) Jupp Henckes (2013), Joachin Low (2014) e Luis Henrique (2015).
Em 2016, terminada a parceria entre a FIFA e a "France Football" para a Bola de Ouro, a FIFA mudou o nome dos seus prémios, adotando nova fórmula de eleição. O público participa nas votações para melhor jogador e melhor treinador, representando 50% dos votos, juntamente com 200 jornalistas. Os restantes 50% são definidos por treinadores e jogadores.
Fernando Santos está entre os três finalistas para melhor treinador, ficando na lista final após constar entre os dez técnicos pré-escolhidos: Chris Coleman (País de Gales), Didier Deschamps (França), Pep Guardiola (Bayern de Munique/ Manchester City), Jürgen Klopp (Liverpool), Luis Enrique (Barcelona), Mauricio Pochettino (Tottenham), Claudio Ranieri (Leicester City), Fernando Santos (Portugal), Diego Pablo Simeone (Atlético de Madrid) e Zinédine Zidane (Real Madrid).
Zinédine Zidane foi campeão europeu pelo Real Madrid e Claudio Ranieri conquistou o título inglÊs ao serviço do Leicester City.
O engenheiro campeão que colocou Portugal na História
Fernando Manuel Fernandes da Costa Santos nasceu a 10 de outubro de 1954, em Lisboa.
Formado em Engenharia Eletrotécnica, no Instituto Superior de Engenharia de Lisboa, começou a carreira de treinador no Estoril, em 1986/87, tendo liderado, com sucesso, a formação estorilista por sete anos, até 1994.
O segundo passo na carreira do técnico campeão europeu em 2016 foi na Reboleira. Ao comando do Estrela da Amadora, entre 1994 e 1998, somou bons campeonatos e desempenhos elogiados de forma consensual, o que lhe abriu as portas para o comando técnico do FC Porto.
O "penta" no FC Porto
Ainda nas Antas, Fernando Santos festejou o "penta" do FC Porto (98-99) e venceu duas Taças de Portugal (1999-2000 e 2000-2001) e duas Supertaças Cândido de Oliveira (1998 e 1999).
Em 2001 aparecia a primeira experiência no estrangeiro, para treinar o AEK Atenas, conquistando a Taça da Grécia e o segundo posto no campeonato helénico.
Na época seguinte, 2002/2003, orientou o Panathinaikos e na posterior regressou a Portugal para orientar o Sporting. Seguia-se nova experiência na Grécia, agora para orientar o AEK Atenas, entre 2004 e 2006.
Após a saída de Ronald Koeman, assume o comando do Benfica, em 2006/2007, tornando-se o primeiro treinador a orientar os três grandes.
Na Luz, e apesar de ter lutado pelo título até ao fim, obteve um terceiro lugar no campeonato e viria a rescindir, a 20 de agosto, no início da segunda época.
Regresso à Grécia
Seguir-se-ia um regresso à Grécia, para a melhor fase: PAOK Salonica entre 2007 e 2010, levando o clube à Champions.
No verão de 2010, rendeu o alemão Otto Rehhagel, técnico que levou a Grécia ao título europeu, no comando da seleção helénica.
Fernando Santos levou a seleção grega aos quartos de final do Euro-2010 e aos oitavos do Mundial-2014 (eliminado pela surpresa Costa Rica nas grandes penalidades).
A campanha positiva rumo aos oitavos de final do Brasil-2014 viria a ficar marcada pelo castigo inicialmente de oito jogos, após expulsão ditada pelo árbitro do jogo Costa Rica-Grécia, Benjamin Williams.
Castigo reduzido
Apesar desse castigo, a FPF decidiu escolher Fernando Santos para render Paulo Bento no comando da Seleção Nacional, a 24 de setembro de 2014.
Mais tarde, em março de 2015, o apelo feito ao Tribunal Arbitral do Desporto (TAS), permitiu que o castigo fosse reduzido de oito para apenas quatro jogos, com pena suspensa de dois deles, pelo que Fernando Santos apenas teve que falhar as partidas com a Sérvia e a Arménia, de qualificação para o Euro-2016.
A campanha gloriosa no França-2016
O Euro-2016 em França foi o momento alto na carreira de sucesso de Fernando Santos.
A campanha de apuramento começou com herança difícil: a derrota em casa com a Albânia obrigava a recuperação quase sem falhas. E não houve mesmo: sete vitórias seguidas, entre a segunda e a oitava jornada, deram o primeiro lugar no grupo de qualificação a Portugal, com 21 pontos, bem à frente dos 14 pontos da Albânia, segunda classificada.
Na fase final em França, os três empates da fase de grupos colocaram muitas dúvidas em muita gente, mas Fernando Santos foi o primeiro a mostrar a sua fé numa presença na final de 10 de julho: "Já disse à minha mulher que só volto a casa a 11 de julho!", atirou, confiante, após o segundo empate em dois jogos, frente à Áustria.
E tinha, uma vez mais, razão: Croácia (oitavos), Polónia (quartos) e País de Gales (meias) ficaram pelo caminho e, na grande final, frente à França, o favoritismo estava do lado da anfitriã. Mas foi Portugal a festejar o título: Éder rematou para golo, aos 109, e Fernando Santos tornou-se selecionador campeão europeu.
Parabéns, mister!
Fonte: FPF

Sem comentários:

Enviar um comentário